POLÊMICA: QUAL MELHOR MATERIAL PARA TALHERES E UTENSÍLIOS DOMÉSTICOS (SEM ALERGIAS)?

 

inox CasaDosFogoes.com

 

Materiais: A importância da qualidade

Especialmente no que diz respeito aos talheres, a matéria prima para fabricação de colheres, garfos e facas é o aço inox. Mas cuidado: há muitas variações no inox, sendo algumas bastante tóxicas!

Após mais de dez anos pesquisando sobre alergias, toxinas e metais no corpo com relação ao que entra em contato com os nossos alimentos (panelas, talheres, etc.), a CASA DOS FOGÕES e sua equipe pode entender  e divulgar com segurança que, atualmente:

  • Os metais em excesso (níquel, alumínio, ferro) podem causar alergias e problemas de saúde;
  • Aço inox não existe “pronto” na natureza;
  • Inox é uma liga metálica de ferro-carbono com adição de cromo a uma porcentagem de pelo menos 13%, que confere ao material excelente resistência à corrosão e acidez. A resistência à corrosão é proporcional à quantidade de cromo adicionado e é obtida através de uma finíssima película de óxido de cromo, invisível a olho nu. Na fabricação de talheres, aços com liga cromo-níquel também podem ser utilizados. Além disso, talheres podem ser de prata, banhados em prata ou ouro, ou possuírem cabos de material não metálico;
  • ALERGIAS: O maior alerta está na utilização especialmente do NÍQUEL (exemplo: panelas, tigelas, colheres etc.), tendo em vista que ele é metal pesado e pode causar alergias graves se em contato com a pele ou ingerido indiretamente, de maneira que é realmente difícil de entender a relação e por onde começar evitar excesso deste metal.

Com isso, recomendamos a evitar os utensílios domésticos (panelas, talheres, tigelas etc.) que contenham níquel.

 

É importante ressaltar que muitos metais são necessários em nosso corpo humano. O problema está no excesso. Esta palavra é imprescindível nos dias atuais para quem busca saúde e diminuir os problemas com alergias, cansaço, deficiências de nutrientes e outros. Lembre-se: muita coisa você pode adquirir naturalmente na alimentação sortida diária, por isso, tente equilibrar a situação ficando isento de metais, de forma que evite se intoxicar com metais.

É algo relativamente novo e que especialmente a nutrição vêm buscando de forma alternativa, após descobrirem muitas alergias novas e problemas até mesmo neurológicos causados por estes excessos a longo prazo (exemplo: doenças no cérebro).

 

Entenda algumas diferenças:

1. Talheres de aço-cromo

A matéria prima é uma liga de aço com 13%, 15% ou 17% de cromo. Produtos fabricados com esse tipo de aço recebem o selo “rostfrei” ou “stainless“. Aço-cromo tem um brilho azulado e oferece uma atrativa relação preço-qualidade na fabricação de talheres por ser inoxidável, não manchar e apresentar cheiro e paladar neutros.

2. Talheres de aço-cromo-níquel

Esse tipo de aço possui até 18% de cromo e de 8,5 a 10% de níquel. Aço cromo-níquel apresenta, após cuidadoso processamento, uma coloração amarelada e é um metal maleável, oferecendo inúmeras possibilidades para o design de talheres.

A presença de níquel o torna resistente a grandes concentrações de acidez e a alta porcentagem de cromo assegura a resistência à corrosão. Por isso, talheres fabricados com esse aço são especialmente adequados a serem lavados em lava-louças e usados em gastronomia.

Talheres de aço-cromo são ideais para estabelecimentos equipados com sistemas de lava-louças magnéticos, pois esse tipo de metal é magnetizável. Aço-cromo é resistente a desgastes e abrasão e é utilizado na fabricação de facas monobloco e lâminas de facas.

Mas aqui há o perigo de contaminação nos alimentos por excesso de níquel. Recomendamos evitar.

 

Alergias

O níquel pode causar alergias, principalmente na pele.

Exemplos: coceiras incontroláveis e vermelhidão onde usamos bijuterias como brincos, pulseiras e colares, por conter níquel também nestes produtos; os botões da calça jeans (algumas marcas já pintam o botão para evitar contato direto na pele, especialmente para quem já tem dermatite de contato, que é agravada com o níquel ingerido, além do contato), as fivelas de sandálias (por isso aquele assado, principalmente quando há suor); podem surgir bolinhas vermelhas que coçam – mesmo usando pomada, onde geralmente há metais encostados; coceira incontrolável em pele mais sensível ou quando há mais suor (pulsos, cotovelos, pescoço, ao redor dos olhos, umbigo), entre muitos outros.

E como foi dito: não adianta passar pomada, pois o metal tóxico pode ser ingerido também através das panelas e alguns utensílios domésticos. A alergia continuará até você evitar os produtos de inox que contém muito níquel na composição. Só irá parar com produtos isentos, evitar usar aquilo que pode encostar e também conter algum tipo de toxina (brincos, pulseiras etc.).

É fato que o níquel já está impregnado em nossa sociedade em muitas coisas que nem imaginamos. Por isso, o que pudermos evitar o excesso, será melhor! Portanto, podemos concluir que se puder evitar panelas e utensílios de inox, será mais saudável para você e sua família, evitando ou diminuindo alergias desnecessárias que podem ser ingeridas em excesso, sem percebermos.

Alerta: há também muitos alimentos que naturalmente possuem algum teor de níquel e podem ajudar a piorar a situação. Porém, a quantidade é muito menor. Nestes casos, é necessário ir mais a fundo com dermatologista e nutricionista de sua confiança para poder fazer uma dieta mais restrita, fazer exames, além de eliminar ou limitar o uso de utensílios domésticos com níquel na composição.

 

Soluções e conselhos

Para substituir o inox batizado de níquel, uma boa recomendação e isenta de toxinas são os materiais de cerâmica, especialmente em panelas, tigelas, pratos, até facas de corte.

A CASA DOS FOGÕES e sua equipe passaram anos testando e o resultado encontrado foi que a cerâmica é o material testado “mais próximo da perfeição”: são fáceis de limpar, mais econômicas (mínimo de 30%), não liberam toxinas, não possuem metais na composição, o fio das facas são muito mais potentes e resistentes, muitas panelas e tigelas podem ir ao micro-ondas, algumas podem ir até no forno e no fogão (consulte o fabricante)!

Por isso, ficamos apaixonados por cerâmica: após tantas pesquisas e testes, foi a que melhor se adaptou com todos os tipos e gostos. Não é por menos, já que você só tem a ganhar na saúde com o investimento nesse tipo de material.

Você Sabia: que a cerâmica de Santa Catarina (sul do Brasil) é fortemente conhecida por sua qualidade e seu polo ceramista, assim como com a tecnologia desenvolvida por um casal de alemães em suas terras é uma das mais premiadas no mundo? É exclusiva, patenteada e é daqui, brasileira e catarinense, com qualidade, atóxica e mais barata do que produtos importados.

Assim como, se for procurar por algo comumente chamado de “inox”, procure em algum lugar escrito “STAINLESS” ou “STAINLESS STEEL“, onde aparentemente é mais seguro e sem níquel – claro, dependendo da fabricante, contaminação, fabricação etc. Esta escrita é mais fácil de encontrar em relógios, jóias, cintos, talheres. Mas muitíssimo caro e raro de encontrar em panelas, infelizmente. Algumas podem passar de R$ 500,00 a R$ 3.000,00 a unidade no Brasil.

Outras alternativas são: potes de vidro (evite plástico de qualquer tipo); espátulas de silicone comestível (testamos e aprovamos somente 3 marcas que trabalhamos); pintar os botões da calça jeans (pode ser com esmalte de unha anti-alérgico, por exemplo); peça algumas horas para testar as joias e bijuterias que comprar (relógio, brincos, pulseira, colar, anéis) e leia o certificado de garantia dos produtos que comprar, caso o lojista não saiba confirmar se é mesmo anti-alérgico; não vá apenas em marcas famosas, mas em marcas de real qualidade, pois muitas marcas famosas de panelas e até joias estão batizando MUITO seus produtos com alto teor de níquel; desconfie de produtos muito baratos, não há milagre!

Os restaurantes geralmente usam panelas de alumínio industrial, por ser material mais leve, flexível e barato que o inox, assim como despejam a comida, ao invés de raspar, como fazemos em casa, diminuindo o contato com o alumínio, que por natureza já é menos alérgico do que o níquel. Diferente do produto com inox+níquel, onde o níquel só por estar “encostado” no alimento já libera toxina e torna-se alérgico. Possível razão para que seja menos alergênico do que comer em uma casa que tenha panela de inox+níquel.

Enfim, o assunto para panelas será melhor divulgado em próximo post, fique atento(a)!

 

Fonte: Faqueiros; médicos dermatologistas, neurologistas e nutricionistas particulares; pesquisas particulares em site estrangeiros; testemunhos pessoais de clientes e funcionários da CASA DOS FOGÕES.

 

 

LOGO 2014 FERRAMENTA

 

Continue seguindo as Receitas e Dicas da CASA DOS FOGÕES no site, Facebook e Instagram (@casadosfogoes).

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.